Por: Deivis Chiodini | 5 anos atrás

Chegamos a análise do card principal do evento em Jaraguá, que pode definir novos rumos na divisão dos médios do UFC. A lenda Vitor Belfort enfrentará o ultimo campeão do Strikeforce, Luke Rockhold, com ambos buscando um title shot. Além disso, teremos a estréia do ex campeão do Strikeforce e bicampeão mundial de jiu jitsu, Ronaldo “Jacaré” Souza, buscando subir no ranking, bem como o melhor brasileiro entre os leves Rafael dos Anjos, tentando manter a crescente na divisão. Um evento que tem tudo pra ser excelente. Vamos a análise do card principal:

Rafael “Sapo” Natal x João Zeferino (divisão dos médios): João Zeferino, atleta de Florianópolis caiu de para quedas nessa luta, após Chris Camozzi ser remanejado pra enfrentar Jacaré no co-main event. Lutador duro, com bom cartel nos eventos nacionais, João tem como seu ponto forte seu jogo de chão, mas não apresenta muitos nocautes na carreira. A falta de experiência pode pesar, mas João entra nessa luta como um franco atirador, sem responsabilidade e isso pode estar a seu favor. Ele terá pela frente Rafael “Sapo”, um lutador ainda buscando a regularidade no evento. Vindo de vitória, ele terá que provar que pode dar um passo acima na categoria. Se João tem em suas principais qualidades a luta de chão, ele encontrará um oponente altamente qualificado por lá, faixa preta do mestre Draculino, e que treina com feras com Marcio “Pé de Pano” e Rafael dos Anjos.. Em pé vem mostrando um jogo mais solto nas últimas lutas, com um boxe eficiente e boas combinações usando os chutes nas pernas e os pisões. Luta que promete ser movimentada.
Palpite: Zeferino é um bom lutador, mas caiu na fogueira contra um lutador muito mais experiente nesse tipo de luta. Sapo vai usar seu background no jiu jitsu e finalizar no 1° round.

Rafael dos Anjos x Evan Dunham (divisão dos leves): Dono de 3 lutas da noite, o americano Evan Dunham vem de vitória sobre Gleison Tibau e buscará bater o bem ranqueado 10° colocado no ranking dos leves, o brasileiro Rafael dos Anjos. Rafael pode com uma boa vitória subir muito e se colocar em posição privilegiada no ranking, visto que grandes rivais como Jim Miller e Nate Diaz acabaram sendo derrotados recentemente. No chão, temos 2 faixas preta de jiu jitsu afiados, onde qualquer posição ou movimentos errados podem ser fatais. Na luta de pé, temos dois lutadores bem distintos. O canhoto Dunham procura trabalhar mais seu boxe e gosta de colocar seu oponente na grade também, utilizando bem os cotovelos nesse jogo de abafa. Já Rafael vem evoluindo muito rápido em seu muay thai, e hoje procura trabalhar mais com um padrão de combinações que começam com chutes baixos e boas fintas, até achar a brecha para um golpe mais contundente. Dunham e Rafael tem boa resistência e costumam não cansar nas suas lutas, apesar da movimentação intensa. Um verdadeiro jogo de xadrez essa luta.
Palpite: Rafael é mais completo que Dunham no meu ponto de vista e se conseguir se manter focado, executando bem seu jogo, aposto numa vitória por pontos.

Ronaldo “Jacaré” Souza x Chris Camozzi (divisão dos médios): Camozzi estava escalado para enfrentar Rafael Sapo, mas com a lesão de Costa Philippou, ganhou a chance de enfrentar o 8° colocado no ranking dos médios, o ex campeão do Strikeforce e lenda no jiu jitsu e submission Ronaldo “Jacaré” Souza. Camozzi é um lutador mediano, mas que vem confiante após 4 vitórias seguidas no evento. Ele apostará na diferença de altura e envergadura (8cm maior) para tentar evitar que Jacaré coloque a luta pra baixa e trabalhe sua especialidade. Imagino um Camozzi trabalhando muito os chutes baixos e ameaçando as joelhadas, fazendo com que Jacaré tenha dificuldades em suas entradas de queda. Camozzi não vai querer enfrentar o brasileiro no chão nem se cair por cima, pois Jacaré tem uma guarda muito ativa e um arsenal de raspagens sensacional. Em pé, tem melhorado muito seu boxe na Team Nogueira com Josuel Distak e não depende mais exclusivamente de seu chão para vencer. Mas com certeza é lá que reside seu ponto forte. Bicampeão mundial de jiu jitsu, e bicampeão do ADCC (maior torneio de submission do mundo), me arrisco a dizer que Jacaré, junto com Demian Maia tem o melhor jiu jitsu aplicado no MMA, com excelentes transições e quedas não “telegrafadas” (como acontece com muitos lutadores que vem do jiu jitsu, como Toquinho). Ou seja, no chão, Camozzi não terá chance alguma. A luta deve ser um verdadeiro “gato e rato” com Camozzi golpeando e saindo pra fugir das quedas e Jacaré buscando elas em grande parte do tempo.
Palpite: Jacaré vai colocar pra baixo e pegar já no 1° round. Vou ser ousado e até dizer como: com um katagatame (estrangulamento que pressiona pescoço e braço ao mesmo tempo).

Vitor Belfort x Luke Rockhold (divisão dos médios): Senhoras e senhores, chegamos ao main event. E não poderia ter luta melhor para fechar essa noite. De um lado, o californiano Luke Rockhold, menos conhecido do público brasileiro, mas que chega com moral no evento, já ocupando o 5° lugar do ranking e trazendo consigo o cinturão do Strikeforce. Produto da American Kickboxing Academy, onde tem como parceiros de treinos feras como o campeão dos pesados Cain Velasquez e Daniel Cormier, Luke vem de 9 vitórias consecutivas, inclusive uma sobre Ronaldo Jacaré, que lhe rendeu o cinturão do SF. Olhando bem seu cartel, vejo apenas Jacaré como um grande lutador que Luke enfrentou e Vitor com certeza será seu maior desafio na carreira. Apesar de todo trash talk de sua parte, dizendo que pode vencer o brasileiro em qualquer campo da luta, eu aposto que o americano aproveitará sua maior envergadura para tentar manter o brasileiro a distância nos primeiros rounds (quando Vitor é mais explosivo), para dar o bote nos últimos rounds ou quem sabe levar a luta por pontos. Luke usa muito bem os chutes nas pernas, e sabe evitar as quedas muito bem. Além disso tem uma esquerda potente, que pode tontear qualquer um.

Do outro lado, estará o veterano do MMA, que tem a alcunha de “Fenômeno”, Vitor Belfort. Odiado por muitos, por sua personalidade e discursos religiosos, costuma ser chamado de chato e falso pelo seus detratores. Polêmicas a parte, não temos como negar a importância e a qualidade de Belfort no octógono. Campeão do torneio do UFC 12 na categoria dos pesados com apenas 19 anos e tendo posteriormente sido campeão dos meio pesados no UFC, Vitor tem em seu currículo vitórias sobre nomes com Wanderlei Silva, Randy Couture e Rich Franklin e hoje ocupa a 2° posição no ranking dos médios. Após a derrota na disputa de cinturão para Anderson Silva, só foi derrotado por Jon Jones, numa luta numa categoria de peso acima da sua, em que quase finalizou com um belo armlock. Suas 3 lutas na categoria foram vitórias esmagadoras sobre Akiyama, Rumble Johnson e Bisping. Faixa preta do lendário mestre Carlson Gracie, Vitor tem mostrado uma certa atenção maior com seu jogo de chão (hoje treinado pelo campeão mundial Gilberto “Durinho” Burns) como na quase finalização contra JJ e na vitória por estrangulamento sobre Johnson. Em pé, tem umas das mãos mais pesadas do MMA, muito contundente e que vira uma verdadeira metralhadora quando sente o adversário combalido. Boxe de alto nível e uma melhora substancial nos chutes, como vimos com o belo nocaute sobre Bisping, com um chute na cabeça. Belfort preocupa na questão gás, se a luta passar do terceiro round, onde Rockhold pode ter vantagem.
Palpite: Rockhold é um excelente lutador e terá muito futuro no UFC. Mas acho que Belfort viva talvez uma das melhores fases da carreira e irá nocautear no 2° round