Por: Deivis Chiodini | 4 anos atrás

Semana de UFC em Jaraguá, com direito a aquela cobertura especial do PorAcaso, com entrevista, coberturas dos eventos e tudo mais que rola por aqui.

arena-jaragua-ufc

Como na outra edição que aconteceu em terras jaraguaenses, analisamos também o card preliminar do evento, que nesta edição está melhor que a passada. Confira

Douglas D’Silva x Zubair Tuhugov (categoria dos penas): Essa luta deveria contar com o catarinense Thiago Tavares, que acabou quebrando uma costela nos treinos e será substituído pelo estreante Douglas D’Silva. O brazuca terá pela frente o russo também estreante Zubair Tuhugov. O russo já mostrou alguns bons momentos em pé, mas deve tentar quedar Douglas e usar o jogo do sambo russo para controlar por cima e tentar achar alguma finalização. Já o brasileiro, que esta invicto nas 22 lutas (com 18 nocautes), tem contra si a desvantagem de altura (ele deve baixar pros galos caso permaneça no UFC), o que fará com que tenha que encurtar a distância para golpear e dará maior chance ao russo de quedar. Douglas, porém, já se mostrou muito explosivo e tem poder de nocaute para derrubar com um golpe só.
Palpite: Aredito que apesar do jogo desfavorável, o brasileiro vai surpreender e nocautear no 1° round.

Ildemar Marajó x Albert Tumenov (categoria dos meio médios): O mais novo dos irmãos Marajó tenta se estabelecer entre os meio médios no UFC, após uma carreira toda feita nos médios no Brasil e terá pela frente o russo estreante (os russos estão invadindo o MMA) Albert Tumenov. Aqui, ao contrário da luta de cima, temos um russo striker e um brasileiro que deve apostar na luta de solo. Tumenov é um boxeador de alto gabarito, que trabalha combinações 1-2 velozes e com muito punch. Marajó tem maior envergadura e se estiver com o tempo de entrada de quedas em dia, pode aproveitar as encurtadas do russo pra por no chão e trabalhar seu jiu jitsu. Em pé, não vejo “Queixinho” (apelido de Ildemar), se criando muito.
Palpite: O brasileiro pra mim esta na categoria errada e perde muito gás do 2° round em diante. Aposto que o russo nocauteia no 2° round

Felipe Sertanejo x Máximo Blanco (categoria dos penas): Dois lutadores que ainda não empolgaram no evento se enfrentam. O brasileiro Felipe Sertanejo vem de derrota para Kevin Souza, enquanto Máximo Blanco vem de derrota por desclassificação. Uma derrota aqui pode significa RH para qualquer um deles. O brasileiro, apesar de mostrar boa evolução na luta de solo, tem seu jogo calcado no muay thai, com muitos chutes baixos, rodados e joelhadas no clinche, enquanto Blanco, apesar de gostar trocação, usa mais o boxe e gosta de derrubar para trabalhar um eficiente ground and pound.
Palpite: Luta morna, com Sertanejo controlando nos low kicks e levando por pontos.

Iuri Marajó x Wilson Reis (categoria dos galos): Essa é sem dúvida a luta que mais quero ver no card preliminar. Dois caras que lutam pra frente, tentando finalizar o combate, se enfrentam naquilo que promete ser uma guerra. Veterano da Elite XC e do Bellator, Wilson estreou dominando totalmente o então top 10 Ivan Menjivar com uma decisão unânime. Bom trocador, falta a ele um pouco de poder de nocaute, mas seu jogo de chão é fino, com transições rápidas e absoluto controle de posições.Já o mais velho dos Marajós, tenta se firmar na categoria no UFC, onde ainda é irregular. Após dar um susto em Urijah Faber no começo de sua última luta, Iuri foi controlado no chão e acabou perdendo. Apesar do bom chão, não deve se arriscar contra Reis e tentará manter a distância, ou usar as entradas de queda para contra golpear com suas joelhadas voadoras. Marajó tem mais punch e pode causar estragos na trocação.
Palpite: Aposto numa batalha de 3 rounds, com vitória de Iuri Marajó

Francisco Massaranduba x Jesse Ronson (categoria dos leves): O ogro mais simpático do UFC, Francisco Massaranduba esta de volta a Jaraguá, para alegria da galera. Ele lutará contra Jesse Ronson, canadense que estreou com derrota e já tem a obrigação de vencer. Ronson vem de uma escola que mescla bem a luta de solo com a trocação, sem ser excepcional em nenhuma. Derruba bem, tem boxe decente e algumas finalizações na cartola, mas nada que empolgue. Já Massaranduba é o tipico brucutu, mas que vem evoluindo. Apesar de ter sido finalizado em sua última luta, tem bom jogo de chão e costuma usar muito bem o katagatame, mesmo as vezes sem tanta técnica (o “massaratame”, feito direto da meia guarda contra Mike Rio é o exemplo) e em pé tem muito poder de nocaute. Costuma pecar e muito no gás e por isso tem que definir a luta rápido.
Palpite: Massaranduba, tonteando e depois finalizando no 1° round

Rodrigo Damn x Ivan Batman (categoria dos leves): Rodrigo Damn é da safra do TUF 1 e é um lutador que ainda não empolgou, apesar de vir de vitória. Já o carioca radicado em SC e ex campeão do Jungle Fight Ivan Batman, só fez uma luta no evento e na categoria de cima, e terá finalmente sua chance no peso certo. Damn é aquele cara que adora jogar clinchado, na grade, derrubando e controlando. Apesar de ser um especialista na arte suave, seu jogo é mais parado e de segurança, o que costuma fazer com que seja chato. Já Batman também é um lutador com muito background no chão, mas que golpeia mais, usa o ground and pound para abrir brechas e atacar as costas, sua especialidade (suas últimas 5 lutas no Brasil foram vencidas com mata leão). Em pé, Batman tem mãos mais pesadas e mais poder de punch, enquanto Damn apresenta algumas brechas no jogo de boxe.
Palpite: Numa luta arrastada, Batman com um petardo no 3° round.

Cristiano Marcello x Joe Proctor (categoria dos leves): O boa praça Cristiano Marcello vem buscando salvar o pescoço no UFC e precisa da vitória, assim como seu ex parceiro de TUF 15, Joe Proctor. Os dois tem em sua especialidade o chão, com o jiu jitsu sendo carro chefe, mas Marcello tem mais qualidade que Proctor, com transições rápidas e um perigoso triângulo, mesmo quando por baixo. Em pé, Proctor tem alguma vantagem, principalmente no boxe, onde o brasileiro costuma se expor e toma muitos golpes sem defesa.
Palpite: Cristiano empolgado por lutar perto de casa (mora em Curitiba), por finalização no 2° round.