Por: João Marcos | 6 anos atrás

Contrariando decreto assinado pelo prefeito Dieter Janssen na segunda-feira, os passageiros do transporte coletivo não puderam economizar com a redução do preço da passagem de ônibus, que deveria vigorar desde ontem. Até o fim da tarde, a empresa Viação Canarinho não havia baixado os valores de R$ 3,10 para R$ 3 (embarcada) e de R$ 3 para R$ 2,75 (antecipada).

Motivado pelas denúncias feitas ao órgão, o diretor do Procon, Luís Fernando de Almeida, acompanhado de um fiscal, foi até o terminal central às 17h. Ao entrar em um dos veículos, ele teve a certeza de que o decreto estava sendo ignorado. A primeira medida tomada pelo presidente foi emitir um auto de infração à empresa, que pode ser transformado em multa caso a Canarinho insista em manter os preços antigos por mais tempo. “Estarei aqui amanhã (hoje) de manhã e se a empresa não tiver respeitando o decreto, será emitida uma multa”, avisou o presidente. Segundo Almeida, o valor ainda será avaliado, mas pode chegar a 10% da receita bruta da empresa nos últimos dez meses. “Queremos contar com a boa vontade da direção da empresa, porém, tomaremos todas as medidas necessárias para garantir que a decisão do prefeito seja cumprida”, disse Almeida.

O procurador do município, Raphael da Rocha Lopes, que ontem estava em Florianópolis, explica que o valor da passagem teria que ser reduzido imediatamente após a publicação do decreto. Entretanto, ele afirma que solicitou à empresa uma justificativa por escrito sobre a impossibilidade de ela realizar, imediatamente, a reprogramação do sistema de bilhetagem eletrônica. “Pedi uma explicação e vamos analisar os motivos. Mas, em caso de descumprimento do decreto, serão estudadas punições jurídicas”, concluiu.

Via OCP Online