Por: Anderson Kreutzfeldt | 07/02/2014

Sacanagem né? As crianças e adolescentes loucos pra voltar pra aula e vão ganhar mais uma semana de férias!

A Secretaria de Educação de Santa Catarina confirmou nesta quinta-feira que o início das aulas da rede estadual será adiado por uma semana. A decisão foi tomada por causa da forte onda de calor que deve se prolongar até o final da primeira quinzena deste mês.

A onda prolongada de calor fez o governo de Santa Catarina adiar o início das aulas no estado. A informação foi confirmada no final da tarde desta quinta-feira (6) pela Secretaria Estadual de Educação. De acordo com a Epagri/Ciram, órgão que monitora as condições climáticas, o fenômeno deve permanecer até o final da primeira quinzena de fevereiro. A sensação de calor continua próxima de 40ºC e 50°C na maioria das regiões.
A Secretaria informou que as gerências regionais de Educação foram consultadas sobre as alterações. Das 36 regionais, 11 retornam na próxima segunda (10) nos municípios sedes de Concórdia, Itapiranga, Ituporanga, Jaraguá do Sul, Joaçaba, São Bento do Sul, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Taió, Rio do Sul e Laguna.

Segundo a entidade, o ano letivo inicia dia 13 de fevereiro em Timbó, Campos Novos, Braço do Norte, Araranguá, São Joaquim, Palmitos, Maravilha, Dionísio Cerqueira, Quilombo, Canoinhas, Xanxerê, Videira, Caçador, Curitibanos, Chapecó, Lages, Ibirama e Seara. Já em Blumenau, Grande Florianópolis, Joinville, Tubarão, Criciúma, Itajaí e Brusque as escolas retornam às atividades dia 17 de fevereiro.

A Secretaria disse que, ao tomar a decisão, pensou no bem-estar e na saúde dos estudantes, professores e funcionários. Além disso, vai encaminhar orientações que devem ser repassadas às escolas em virtude do calor excessivo.
“As regionais e os municípios têm autonomia para elaborar o calendário, bem como as suas adequações, em função de peculiaridades regionais, mas desde que cumprido os 200 dias letivos exigidos pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação”, explicou o secretário Eduardo Deschamps.
A forma de reposição das atividades escolares, para o cumprimento da legislação pertinente, deve ser definida pelas gerências regionais de Educação, em conjunto com as unidades escolares.

via G1