Por: Ricardo Daniel Treis | 10/04/2013

São Paulo ganhou um movimento contra-consumismo:

Ele lançou-se em forma de site, onde fazem a introdução:

“São Paulo é uma cidade incrível, com cultura, gastronomia, balada e o que mais você quiser. Mas São Paulo também está virando uma cidade sem noção. Com a velha desculpa do ‘tem quem pague’, os preços sobem de uma maneira que não dá mais pra encarar.

E quer saber o pior? Além de não fazer bem nenhum pra cidade ajudar a inflar preços e sustentar a parasitagem de gente que quer enriquecer no modelo velha guarda, isso é cafona.

Nada mais novo rico deslumbrado do que pagar um preço extorsivo por um produto/serviço que não corresponde e fingir que arrasa, mostrar que tem poder de consumo só pelo poder de consumo. O mundo ficou pequeno, dá pra ser melhor do que isso. E a cidade também pode ser melhor do que isso.”

Colaborativo no sistema de denúncias, o recheio do site sabemos do que trata: valores de ingressos, bebidas e pratos a preços exorbitantes para a circunstância – balada combrando R$14 numa long neck, por exemplo. Serviços também entram, como estacionamentos que cobram mais de R$50 por uma vaga na balada.

“Tem quem pague”, é novamente a minoria cagando pros demais, porém os donos de alguns estabelecimentos esquecem que, sem o peso da maioria, não sobrevivem. A culpa é mais deles, que distorceram o modelo de negócio, e o movimento tai pra puxar a orelha.

Não acredito que vá rolar um boicote massivo como idealiza-se, mas a má propaganda tá pegando… Confiram a proposta: Boicota SP.


Quanto ao negrito que fiz linhas acima, a parte toca, pois não deixo de lembrar da cena em Balneário Camboriú. E deslumbramento muitas vezes é a palavra adequada.