Por: Ricardo Daniel Treis | 10/04/2013

Asco:

Autoria de Lauro Trevisan, conhecido como padre Lauro (?), é assim descrito:

Kiss, Uma Porta para o céu – obra de Lauro Trevisan – entra no coração dos 241 jovens tragados pelo incêndio da boate Kiss e descobre que o voo celestial dessa juventude cometeu o milagre de inspirar o nascer de uma nova humanidade, mais amorosa, mais solidária, mais fraterna e mais elevada espiritualmente. O livro busca responder aos por quês do sofrimento, onde está Deus diante de tanta dor e como reaver a vontade de viver e a felicidade.”

O que grifei em itálico é o que editorialmente pode ser classificado como bullshit. O resto é o clichê da auto-ajuda de prateleira de supermercado.

Transpirando oportunismo, Lauro pegou a licença poética e misturou com religiosidade piegas, num texto que parece não ter perdão às beatas diabéticas. Já os pais das vítimas, choram revoltados com o publicado.

No auge da balada celestial, o Pai perguntou se alguém queria voltar. Dois ou três disseram que sim e foram encontrados vivos no caminhão frigorífico que transportava os corpos ao Ginásio de Esportes.

Minha nossa.

A obra causou reação, e teve solicitada sua retirada do mercado. A editora, claro, não larga o osso, e informa que nova versão editada volta às prateleiras.

O quê não se faz por dinheiro…