Por: Ariston Sal Junior | 4 anos atrás

15MAI14-04-©-Augustinho-Ferrari-Arquivo-Pessoal-1024x694

Do futsal saíram para o campo craques como Ronaldinho Gaúcho, Ganso, Neymar, Marta, Robinho e Kaká. Na convocação para a Copa do Mundo deste ano, dos 23 nomes inicialmente escolhidos por Scolari, dez passaram por competições oficiais realizadas pela Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS).

Esse caminho também foi seguido pelo jaraguaense Filipe Luís. Atualmente na lista de espera para a competição, o lateral-esquerdo do Atlético de Madri iniciou no Projeto Futsal Menor, do Clube Escolar Evangélico Jaraguá, na década de 1990.

“Ele conquistou um título comigo, em 1999, o Campeonato Catarinense Infantil. Foi o primeiro título de Jaraguá do Sul na categoria, hoje chamada de sub-15. Uma conquista invicta”, relembrou o técnico Augustinho Ferrari. “Na época, o Filipe Luís tinha 14 anos e depois foi para o campo. Ele gostava muito do futsal”, acrescentou.

Para Ferrari, a base adquirida no esporte da bola pesada foi essencial para o sucesso do defensor nos gramados. “Ele era muito dedicado em tudo o que fazia. Sempre foi diferenciado na marcação e era disciplinado taticamente. Na parte física, era o melhor. Por isso é lateral, pela resistência aeróbica. Jogava o jogo inteiro e não cansava”, analisou.

“O Filipe Luís merece estar onde está, pela dedicação e superação”, reconheceu Augustinho, lamentando o fato de poucos atletas formados no projeto conseguirem tornar o esporte sua profissão. Da geração de Filipe Luís, apenas Fernando Oliveira, da equipe de futsal do Corinthians, segue na ativa profissionalmente.

“Não fico querendo ser o ‘pai da criança’, mas com certeza é isso o que me dá motivação para continuar. Quero ser lembrado pelos resultados e por te ajudado vários atletas a continuarem o caminho. E muitos talentos ficam pelo caminho, pois não e fácil ser atleta de futsal e de campo”, concluiu.

Via OCP