Por: Ariston Sal Junior | 4 anos atrás
OCP/Eduardo Montecino

OCP/Eduardo Montecino

Provocados pelos níveis de dificuldade dos paredões rochosos do Parque Natural Braço Esquerdo, mais de 30 escaladores passaram o feriado encarando limites. O parque abrigou pela primeira vez o festival de escalada esportiva 4Climb4You. O evento não é competitivo e acontece uma vez por ano, em diferentes pontos do país.
Praticantes de Santa Catarina, Paraná e estados do Sudeste foram atraídos pela diversidade natural inserida no vale entre Corupá e São Bento do Sul. “Quando soube, pelas fotos, que teria o rio passando em meio aos paredões fiquei muito empolgada, resolvi que tinha que vir. A maioria dos pontos não tem esse cenário, achei muito bacana”, assegura a engenheira do Rio de Janeiro, Raquel Guilhon, 31 anos.

Essa foi a primeira vez que ela explorou o parque. A indicação veio da companheira de esporte, a médica de Belo Horizonte, Roberta Resende, 34 anos. “Vim em 2009 e conheci a qualidade do local, que oferece desafio com vias difíceis”, comenta. Mesmo após três dias de prática, Roberta aproveitou a última manhã para enfrentar o paredão de 30 metros, com percurso negativo. Entre os seis setores, é o que exige mais técnica e concentração.

“É a dificuldade que atrai o praticante. O escalador tem o objetivo de mandar a subida, que é chegar ao topo se segurando em nada mais do que a rocha, sem nenhuma queda” explica o escalador jaraguaense, responsável pelos setores de escalada, Márcio Gualberto.

Além da inclinação e da altura, o tipo de rocha encontrado na região, o conglomerado, oferece qualidade para a escalada e desafios pela diversidade dos pontos de apoio. O cenário requer intensa exigência física para encontrar as saliências, ficar em equilíbrio e ascender o corpo até o ponto mais alto do paredão.

De acordo com o organizador do evento, Felipe Alvares, o parque é o terceiro melhor ponto de escalada do país. Mas entre eles, o conjunto das cachoeiras, caverna e proximidade entre os paredões inseridos no meio da Mata Atlântica, trazem distinção.

Apesar de não atingir o público esperado, o festival atendeu ao objetivo. “A previsão de chuva espantou o pessoal, mas o festival é para interagir com os praticantes dessa região. A visita turística também, indiretamente, contribuiu para despertar a curiosidade e promover esta prática”, conclui.

Parque aberto para a prática

Apesar de todo o ambiente favorável à prática da escalada, a região ainda conta com poucos adeptos do esporte. Segundo Gualberto, em toda a região, Joinville conta com o maior número de praticantes. O local tem ao todo seis setores, com mais de 80 vias para subida. A maioria com grande exigência técnica.

O ponto é usado há 20 anos, mas apenas em 2009 o grupo começou a abrir mais trilhas. As atividades ficaram recorrentes com a abertura do parque em 2012. Desde então, já ocorreram dois festivais.

O espaço fica aberto ao público, com espaço para camping, cachoeirismo, rapel, exploração de caverna e turismo. Para prática esportiva, é preciso assinar termo de responsabilidade e levar o equipamento de segurança próprio.

OCP/Eduardo Montecino

 

Via OCP Online