Por: João Marcos | 5 anos atrás

Novo chamado é feito para manifesto, mas o tema persiste. O evento será hoje, pedindo por melhoras no quadro de humanização da prestadora de serviços, a Viação Canarinho. Lista de reivindicações:

– Passe livre irrestrito para estudantes;
– Isenção de taxa para maiores de 60 anos sem a necessidade de exigir cartão (apenas documento de identificação com foto);
– MADRUGADÃO (circulação de ônibus na madrugada nos finais de semana, com sua rota a atender toda a cidade);
– Mais horários de ônibus;
– Renovação da frota;
– Redução da tarifa;
– Aumento do tempo de integração até que existam terminais integrados, além de exigir um prazo curto para a construção dos mesmos;
– Repúdio à sobrecarga de serviços dos motoristas.

A concentração será às 18h na SCAR, com saída às 18h30 tendo o terminal urbano como destino. O manifesto passa pela Rua Epitácio Pessoa, entrando na Rua Padre Francken (esquina em frente a Joa Locadora). Dado o horário e o roteiro, esse evento promete chamar atenção.

Cliquem aqui para acesso à página da organização. Até então são mais de 200 adesões.


Espero agora para ver o que pode acontecer antes, já que está prevista para essa semana nova declaração de Raphael Rocha Lopes, presidente da Comissão Especial de Análise e Avaliação da Concessão dos Serviços de Transporte Coletivo de Passageiros do Município de Jaraguá do Sul.

Criada para apontar problemas e sugestões de melhorias para o sistema de transporte público municipal, a comissão avalia o impacto que a redução dos tributos federais terá sobre a planilha e a equação entre o preço da tarifa e as melhorias para os usuários. Analisam também os termos para a licitação para a concessão do transporte coletivo, que deverá ser lançada em 2015 (o contrato com a Canarinho vence em 2016).

Os trabalhos da comissão estão na reta final, dependendo agora da entrega de uma planilha de custos por parte da Canarinho para que possa ser feita a definição do preço fixo da passagem em Jaraguá.

Sobre essa questão, Raphael declarou na última semana:

“É uma matemática difícil de equacionar. Precisamos de um serviço que ofereça ao usuário conforto e segurança de horários a um preço justo e acessível e, ao mesmo tempo, temos uma malha viária complexa, um espalhamento da cidade e um número de usuários instáveis em diversos horários. Há horários, por exemplo, em que apenas uma pessoa utiliza o ônibus”

O que veremos como resultado será o choque entre os desejos do povo e o que a realidade do negócio permite.