Por: Sistema Por Acaso | 4 anos atrás

IMG_1905-1-682x1024o_correio_do_povo

Não é clichê dizer que os Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) são uma competição onde só existem vencedores. Prova disso é o fato de todos os atletas recebem uma medalha, em agradecimento à sua participação. A décima edição do evento poliesportivo intermunicipal está sendo realizada até o próximo sábado, dia 31, em Chapecó.

Ao todo, 63 cidades participam da competição, representadas por aproximadamente 2,5 mil atletas, sendo 58 deles jaraguaenses.
Além dos benefícios que a prática do esporte proporciona, os jogos trazem também uma importante contribuição social aos paratletas, que durante praticamente uma semana socializam e convivem entre si, independente de suas deficiências (auditivas, físicas, visuais e intelectuais).

“Vemos em nossos atletas a diferença do antes e do depois do esporte. Na convivência deles com outras pessoas, não só dentro do mundo deles, mas com as amizades que eles fazem durante as competições. Isso se reverte em casa também, com suas famílias”, reconheceu o professor Wanderlei Augusto Gessner, treinador dos atletas da APAE.

Para Gessner, a evolução e o crescimento de investimento no paradesporto é algo visível, uma vez que trás um bom retorno. “Noto que não só em Jaraguá do Sul, mas todos os municípios estão incentivando e investindo no paradesporto, que é uma modalidade que tem um retorno muito legal”, informou.

Por aqui, são catorze os atletas apoiados pelo programa de Bolsa-Atleta municipal, além do investimento por parte da FME em equipamentos, como sapatilhas. “A gente sabe que isso dá um resultado dentro da pista”, reconheceu o técnico, que ontem comemorou com seus atletas o bicampeonato geral no atletismo para deficientes intelectuais.

Além do atletismo, Jaraguá do Sul enviou representantes para as modalidades de natação, tênis de mesa, futsal, natação, bocha e bocha paralímpica.

Via OCPOnline