Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás

Pra leigo parece loucura, afinal, o cara está construindo um forno, não? Não.

Arquiteto Miguel Bianchi e sua casa - foto de Eduardo Montecino, OCP

Já consolidada na Europa e América do Norte, o nome da técnica é Light Steel Framing. A obra vai levar um ano e meio para ser concluída (o que será agora em junho). Com o término da estrutura de aço, os espaços serão preenchidos por lã de vidro e revestidos com chapas de gesso acartonado. No telhado, uma manta asfáltica, para reduzir o calor e os ruídos da chuva.

Segundo o arquiteto, uma das vantagens da construção é a redução do tempo de obra e a possibilidade de ela continuar em dias de chuva. “Os quadros de aço são construídos em um galpão e encaixados, como um quebra cabeça, no canteiro de obras”. Outra vantagem, ainda de acordo com ele, é a redução dos resíduos comuns em obras da construção civil, como restos de tijolos e cimento. A técnica, de acordo com Bianchi, empata em valores com os da construção civil tradicional. “Com o acabamento, a casa vai custar aproximadamente R$ 1,5 mil o metro quadrado. É aproximadamente o que eu gastaria com a alvenaria”, comparou. Outra característica é a estabilidade do preço do aço, que é controlado como commodity.

E tem mais, a casa é à prova de catástrofe. Via OCP Online, continue lendo a matéria.


Só vi vantagem…