Por: Ricardo Daniel Treis | 8 anos atrás

Essa coisa de pé gelado é o que me dá vontade de enfiar uma meia na boca de quem reclama do calor.

“Futebol, garra, competição e torcida”, certo. Quero ver qual o primeiro comentarista esportivo macho pra assumir que o que o brasileiro mais gosta da Copa é mesmo a vadiagem.

Eu procrastino, tú procrastina, ele fica pra depois.

“É melhor ouvir do que falar, por isso a gente nasce com dois ouvidos e uma boca”. Ditado do tempo que a engenharia genética ainda não tinha cruzado com participante de reality show.

Ouví um rap das antigas, que o refrão era bem assim “Whoomp! There it is! Whoomp! There it is”. Jovens, tal qual “cheese burguer” virou “x-burg” nesse país, pergunto: essa não foi a raiz do “Uh tererê! Uh tererê”? Taí mais uma da nação onde uma coisa não precisa fazer sentido pra ser dita à exaustão.

E o que dizer do fato de não querer ir pra cama à noite e depois não querer sair dela de manhã?

“Dinheiro há por aqui, para qualquer coisa. É só agir como civilizado”. Mas isso seria exigir demais de certos elementos da classe política, não?