Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás

Ouço a questão repetida à exaustão nos telejornais, e os políticos estão se escorando (ou simplesmente perdidos) neste vácuo adiando negociações.

“Não se trata de R$0,20”, todos sabemos que foi o aglomero de irregularidades que levou as pessoas às ruas, porém os governantes não vão aparecer em público e dizer “Ok, vamos corrigir tudo”.

É preciso escalar os eventos. Diferenciar as instâncias (não podemos cobrar do governador o que é de competência do prefeito, nem o contrário), as partes envolvidas, e o que diz a Lei em relação a direitos e deveres.

Faz-se o manifesto com uma lista coerente de demandas até que seja feita negociação (aí entra a necessidade uma liderança, e não apenas uma organização de manifesto). Negociada, é fiscalizada sua execução. Depois disso, dois momentos: caso não executada, novo movimento pelo cumprimento de promessa; caso executada, novo movimento por demandas secundárias, e então terciárias, ou então ocasionais.

Amanhã acontece o movimento em Jaraguá. Vamos pedir o quê?