Por: Isah Sanson | 13/12/2011

Saiu no AN de hoje: 

Uma colisão entre automóvel e trem deixou quatro pessoas feridas por volta das 14h desta segunda-feira, na rua São Miguel, no bairro Rau. A motorista do Space Fox, que foi arrastado por cerca de 200 metros, Gilvonete Schultz Correia, ficou presa nas ferragens.

Após o resgate, que foi feito pelos bombeiros e durou cerca de 15 minutos, ela foi levada para o hospital São José com suspeita de fratura nas pernas e escoriações pelo corpo. No carro também estavam os dois filhos dela, de 13 e 11 anos, e o filho de uma vizinha, que foram levados para o Hospital Jaraguá.

O maquinista Rodrigo de Campos, 29 anos, afirma que apitou antes de se aproximar da passagem de nível, conforme os procedimentos de segurança. Ela disse que a motorista do carro não teria percebido a proximidade com o trem e atravessou a poucos metros da locomotiva.

– Consegui frear, mas não deu tempo de parar – comentou.

O trem ia de Corupá para São Francisco do Sul e tinha 35 vagões. Em agosto deste ano, uma carreta colidiu contra um trem na SC-413, no bairro Caixa d’ Água, em Guaramirim. Com o impacto, três vagões descarrilaram.

ALL diz que maquinista obedeceu às normas

Em nota, a assessoria de imprensa da concessionária da rede ferroviária América Latina Logística (ALL), garante que maquinista seguiu os procedimentos de segurança, acionando a buzina e os freios da composição, mas não foi possível parar a tempo de evitar a colisão. O órgão afirma que o trem leva mais de 500 metros para parar totalmente após o acionamento da frenagem.

A ALL destacou que, de acordo com o Código Nacional de Trânsito, a linha férrea é sempre preferencial, sendo considerada infração gravíssima transpô-la sem parar. A empresa lamentou o acidente e reforçou que realiza campanhas de conscientização sobre a segurança nas passagens de nível e também palestras nas escolas próximas à ferrovia.


Não posso afirmar quanto ao procedimento no local do acidente, mas aqui no centro o trem chega a irritar, de taaaanto que buzina.