Por: Gabriela Bubniak | 30/04/2017

Czerniewicz, Vila Lalau, Nova Brasília, Barra do Rio Cerro… Jaraguá do Sul tem 37 bairros e um núcleo urbano isolado (Santa Luzia). Mas pare um minuto para pensar: qual é a desses nomes diferentões? Eu, por exemplo, me pergunto se no Água Verde a água por lá é verde mesmo (?).  

Mas aqui vai a real pergunta: por que cada bairro recebeu esses nomes que hoje falamos sem pensar? Para saber a fundo sobre cada um deles, nós mergulhamos na história da cidade para descobrir e compartilhar com vocês! 😀

Cercado de um lado por morros e do outro pelos rios Jaraguá e Itapocu, o bairro Ilha da Figueira é o mais populoso de Jaraguá do Sul. E é com ele que começamos esta série sobre a origem dos nomes de cada bairro.

Untitled-3 copy

A Figueira é o bairro dos colégios Homago e Waldemar Schmitz. Dos supermercados Brasão, Figueira e Alexandre. Da padaria Tecnopan, do posto Pérola, da empresa Metalnox e da ponte que leva até o bairro Centenário! (Foto: Reprodução/Google)

Sem muita enrolação, a gente vai logo explicando: o nome “Ilha da Figueira” foi dado pelos primeiros colonizadores que chegaram na localidade, vindos pelo rio Itapocu. Nós pedimos uma ajudinha ao historiador Ademir Pfiffer que explicou tudo pra gente:

Bom, então, de acordo com a história, na região onde os europeus desembarcaram havia essa ilha que abrigava uma grande e majestosa árvore figueira. Hoje nem a figueira, nem a ilha existem mais, devido ao assoreamento de um braço do rio Itapocu.

Mas ainda é possível localizar no mapa onde a ilha ficava, próxima ao extinto e famoso Salão Vitória. Hoje ela é só mais um pedaço de terra, dá uma olhada:

asdasdasd

Dá pra perceber que o Rio Itapocu já foi bem mais largo, né? Essa faixa de terra aí já foi uma ilha, a que deu nome ao bairro. Tá aí a prova! 🙂 – (Foto: Reprodução/Google)

A extensão do bairro é realmente grande, com uma área total 3.182.367,65 metros quadrados. No início era ainda maior, porque englobava o Águas Claras e Morro da Boa Vista, hoje bairros independentes. A “Figueira”, como é chamada carinhosamente por nós, faz ligação com os bairros Boa Vista, Águas Claras, Centenário, Centro, Vila Lalau e Vila Nova.

De acordo com um estudo realizado em 2014 pelo Instituto Jourdan de Planejamento, a população do bairro atualmente era de 10.094, aproximadamente 940 a mais do que o Centro, que há cerca de 10 anos era o mais populoso da cidade.

Visual rural misturado com urbano - em

A Figueira também é um bairro que mistura paisagens do ambiente rural com o urbano. (Foto: Eduardo Montecino/OCP Online)

Crescimento populacional do bairro
2000 –  7.732
2007 –  8.654
2014 – 10.094

O bairro possui uma economia mista que mescla a presença de algumas indústrias de pequeno e médio porte, e ainda estabelecimentos prestadores de serviços e comércio intenso. Há três anos, dados do setor de Protocolo da Prefeitura indicavam a existência de mais de 700 empreendimentos registrados no bairro.

Abre Figueira - em

Quem mora na Figueira tem a oportunidade de observar paisagens lindas como esta! Olha lá no ladinho direito o Morro das Antenas… (Foto Eduardo Montecino/OCP Online)

A história na época da “Colônia Jaraguá*”

Durante o processo da demarcação das terras na época da colônia em Jaraguá do Sul, o engenheiro belga e coronel do Exército Brasileiro, Emílio Carlos Jourdan contratou ferreiros, marceneiros, carpinteiros, pedreiros e lavradores, para plantação da lavoura de cana-de-açúcar e a construção do “Estabelecimento Jaraguá”, um engenho de açúcar, farinha de mandioca e de fubá, olaria e serraria inaugurado em julho de 1876.

PMJS - R. José Theodoro Ribeiro 03

Considerada a principal rua do bairro, a José Theodoro Ribeiro já teve paralelepípedos antes de ser asfaltada. A foto registra a pavimentação na década de 1980. (Foto: Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul)

Os primeiros moradores do bairro foram alguns dos trabalhadores de Emílio Carlos Jourdan, que para lá se mudaram após o fechamento do Estabelecimento Jaraguá, em 1888. Se mudaram para lá porque as terras de Jourdan ainda pertenciam à princesa Isabel, já as terras à margem direita do rio Jaraguá eram estatais.

*A Colônia Jaraguá foi o nome dado a Jaraguá do Sul na época da colonização da cidade. As terras onde hoje está Jaraguá do Sul faziam parte do dote do casamento da princesa Isabel, filha do imperador Pedro 2º, com o Gastão de Orléans, Conde d’Eu, em 1864. Amigo do casal, o engenheiro Emílio Carlos Jourdan ficou encarregado da demarcação das terras.

Quem foi José Theodoro Ribeiro?

A principal via que atravessa todo o bairro e dá acesso à SC-108 em direção a Guaramirim e Massaranduba recebeu o nome de José Theodoro Ribeiro, que foi um dos importantes colonizadores da cidade. Nascido em 1892, em Barra Velha, ele radicou-se em Jaraguá e comprou muitas terras onde hoje está o bairro.

Foi ele o responsável por abrir caminho no meio da mata, para tornar possível a locomoção pela rua principal. Hoje é uma das ruas mais movimentadas da cidade, com “direito” a congestionamento ferrado em horário de pico. 😛

PMJS - R. José Theodoro Ribeiro 01

Rua José Theodoro Ribeiro na década de 1980, em processo de pavimentação com paralelepípedo. (Foto: Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul)

Além da família Ribeiro, entre os grandes nomes de famílias que fizeram parte do desenvolvimento da região da Figueira, estão os Drews, os George e também os Krutsch.

E aí, curtiram o primeiro artigo dessa série linda? A ideia é que todos possam conhecer um pouquinho mais da nossa cidade. Quem tiver mais informações, curiosidades e fotos sobre o bairro manda pra gente para enriquecermos ainda mais a história! 🙂

Foto de capa: Eduardo Montecino
Informações e imagens disponibilizadas pelo Arquivo Histórico Eugênio Victor Schmöckel