Por: Isah Sanson | 11/04/2012

Ou cobertura, pros mais leigos. Como a remoção a laser é mais cara que uma nova tattoo e nem sempre apaga todos os pigmentos utilizados, muitas pessoas recorrem ao cover up, que nada mais é que uma tattoo para cobrir outra.

É mais caro que uma tatuagem, mas não tanto quanto o laser. E é normal que seja mais caro, afinal, é um trabalho que requer muito estudo, preparação e paciência do tatuador para que o desenho de baixo não fique visível. Além disso, alguns profissionais se recusam a fazer cover up, porque não foram eles que fizeram a tatuagem e cobrir uma tatuagem, além de mais trabalhoso, é bem menos prazeroso para o profissional. Normal. Ainda assim, não são todos os tatuadores que conseguem fazer com maestria (portanto, informe-se direito antes de fazer um cover up, porque na tentativa de consertar um erro você pode acabar fazendo outra cagada burrada).

Existem dois estilos de cover up: um que faz uma nova tatuagem completamente diferente do contexto anterior (geralmente muito maior, para dar conta de cobrir o antigo desenho por inteiro), e outro que usa algumas linhas já existentes no traçado para dar origem a uma nova imagem.

Se o desenho que você escolheu para a cobertura tem cores mais claras que a antiga, o tatuador precisará de mais “luz” e fará algumas “sessões de lavagem”, aplicando camadas de branco ou algum tom que seja parecido à sua pele. Isto fará com que o tom da velha tatuagem clareie em uns 20%. Feito isso, ainda será necessário esperar cerca de 2 meses para que você possa voltar a repetir esta sessão, e só quando a luz necessária for aplicada totalmente que é possível dar continuidade no processo. Se você precisar disto, tenha paciência, porque vai demorar!

Outra coisa que vale lembrar: uma tatuagem consertada nunca ficará tão boa quanto uma feita por um bom profissional em uma área sem nenhuma aplicação, pode tirar o cavalinho da chuva. Isso porque normalmente é necessário corrigir alguns defeitos usando mais sombra que o normal. Nem vai sonhando, ok? Mesmo assim, em alguns casos vale mais a pena fazer um cover up com um bom profissional do que uma remoção. Se a cobertura for bem feita, fica praticamente imperceptível para quem não entende tanto desta questão de sombras (quase todo mundo).

Palavra de quem fez: dói pra caramba! Bem mais que uma tatuagem – pode acreditar. Isso que eu não precisei das sessões de lavagem, mesmo sendo branca como uma folha a4.
No meu caso foi necessário fazer um cover up porque tive alergia a uma tonalidade de magenta (é bem comum ter alergia a uma certa cor e as outras não), já nos finalmentes da tatuagem, depois de ter feito todo o contorno e quase toda a pintura. Triste, né?

Isso é o tipo de coisa que a gente só descobre tatuando, mesmo já tendo feito outras tatuagens antes. Eu já estava na 4ª quando descobri alergia a um pigmento. Mas aí não valia a pena eu apagar toda a tattoo (que tava praticamente pronta e que tava exatamente como eu queria) por causa disso. O mais adequado foi fazer um cover up só na cor onde tive reação alérgica. Sinceramente, eu não desejo essa dor pra ninguém – mas tô aqui, vivona e com a tattoo pronta! No fim das contas, o tatuador fez um trabalho maravilhoso no meu cover up: apesar de precisar outra tonalidade de pigmento, ele conseguiu manter a cor que eu queria, fazendo uns efeitos com sombras e uma misturinha com tinta branca. Abaixo uma  foto da minha tattoo quando deu a reação alérgica (na rosa). Tá aí  a Mictecacíhuatl (dama da morte em forma de La Catrina) que não me deixa mentir: meu cover up ficou ótimo (apesar das fotos serem péssimas, sorry!)

Outras cover ups bem sucedidas que eu encontrei:

Pra quem quiser, depois do Jump tem as imagens maiores.