Por: Sistema Por Acaso | 8 anos atrás

Joia rara

A grande maioria dos livros do país está nas estantes de um público selecionado, devido ao alto preço de ven da. Aqui temos a melhor tecnologia e os principais desig ners mundiais de capas de livros. O motivo? Na média, os brasileiros compram pela capa, pela aparência.

O iniciante no universo da leitura, ao fazer uma es colha equivocada, pode não desenvolver o hábito. Com seu costumeiro poder de síntese, Mario Quintana definiu: “Há duas espécies de livros: uns que os leitores esgotam, outros que esgotam os leitores”.

O humorista Millôr Fernandes alerta: “É inegável que a leitura melhora fundamentalmente o ser humano. Desde que, claro, ele seja alfabetizado. Já a televisão piora até o analfabeto”.

Em 2008, estivemos na Casa de Cultura João Simões Lopes Neto (1865-1916), considerado o maior autor regionalista do sul do Brasil, que só foi reconhecido depois do seu falecimento. O es critor gaúcho foi o pioneiro no registro das tradições su linas através de “causos” (Contos Gauchescos e Lendas do Sul – Editora L&PM). Na ocasião, a guia da visita apontou seu dedo indicador para uma biografia protegida por uma redoma de vidro e disse:

— Há apenas três exemplares desta obra! Esta; ou tra que disponibilizamos para pesquisadores e mais uma do colecionador Dr. Fulano de Tal.

Espantado com a “raridade” e num impulso incon veniente, exclamei:

— Então são quatro! Tenho um livro desses lá em casa. Comprei num sebo de Joinville, por cinco reais.

Senti o delicado cotovelo da minha irmã nas coste las e saímos apressados de lá.

A guia do museu ficou incrédula.

A caçula lá de casa acreditou… quando viu a joia rara na prateleira do meu armário.

Marcelo Lamas, autor de Mulheres Casadas têm Cheiro de Pólvora.

marcelolamas@globo.com