Por: João Marcos | 28/01/2015

Pelo menos 18 detentos continuam foragidos em Blumenau, no Vale do Itajaí, após a fuga do presídio na madrugada desta quarta-feira (28). A Polícia Militar (PM) confirmou que nesta madrugada 26 internos fugiram.  Um agente prisional, que prefere não se identificar, divulgou fotos do túnel feito para a fuga e reclamou das condições de trabalho no local. A abertura fica dentro de uma das celas, feita no chão da galeria. O túnel termina na parte de trás do presídio.

Túnel feito pelos detentos

Túnel feito pelos detentos

A fuga de 26 detentos ocorreu pelo túnel por volta de 0h30. Cinco internos foram capturados ainda na madrugada e três na manhã desta quarta. Os detentos estavam em duas celas da ala T do presídio. Segundo o Departamento de Administração Prisional (Deap), mais de 60 agentes prisionais foram mobilizados, sendo 30 de outras unidades de Santa Catarina, para uma operação integrada de segurança prisional.

Na manhã desta quarta, paralelamente a contagem de presos, os agentes do Deap começaram a revistar pessoas, celas e a estrutura do presídio. Até a publicação desta reportagem, o Deap informou que nenhum material que pudesse ter sido utilizado na escavação foi encontrado.

Um avião do Corpo de Bombeiros, o Arcanjo 2, chegou a ser utilizado no transporte de três agentes penitenciários de Florianópolis fossem para Blumenau e para trazer parte da equipe da Corregedoria da Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania, que esteve no local. Conforme a Polícia Militar (PM), o policiamento tático da região de Blumenau ajuda nas buscas aos foragidos, mas o oficial de dia não soube informar o total de militares mobilizados.

Presos de vários tipos de periculosidade, entre condenados e ainda não julgados, fugiram, conforme o presídio. Na unidade, diferentes tipos de detentos convivem na mesma cela. O presídio não soube informar uma média de idade dos fugitivos.

Em 2013, a defensora pública, em visita surpresa feita ao Presídio Regional de Blumenau, constatou condições insalubres as quais os detentos eram submetidos no local. Ratos, baratas, fezes no lugar onde os presos tomam banho, remédios vencidos e carne armazenadas em baldes foram algumas das situações encontradas.