Por: Ricardo Daniel Treis | 8 anos atrás

Não sou o dono da verdade, e é de cada um saber e filtrar o que é útil ou não. Muitas vezes, me arrependo de ter postado algo totalmente dispensável, que não mudarão (e talvez até atrapalharão) a vida dos meus followers. O problema é quando algumas pessoas tornam rotina a postagem de tweets sem substância alguma. Este post é carinhosamente destinado a todas elas.

Paulo Higa escreveu com toda sua humildade uma lista daquilo que observou dispensável na rotina twitteira. Das listas que gostaria de ter montado antes, taí uma que passo pra frente com bom gosto, e espero ilumine algumas cabeças.

Clica no link pra ver a lista completa.


E não tá lá, mas ler alguém dando retweet em elogio recebido é das coisas que me dá vergonha alheia. Tal qual a Síndrome de Sala de Chat, com a fulanada combinando o sabor da pizza via mensagens públicas.

A impessoalidade do online declarou a morte da etiqueta nesse meio. E então os grosseiros se esbaldam.

Quando ninguém mais se importar com o incômodo ao alheio pelo mero relaxamento de fazer o que bem entende, as redes sociais vão poder fechar portas – ou trocar de nome, porque ninguém lá vai estar se relacionando, só se expondo.