Por: Gabriela Bubniak | 22/07/2016

Já pensou em dormir na Ásia e acordar na Europa constantemente? Em ser convidado pra conhecer diversos países por seus escritórios de turismo? Ou em fazer trabalhos voluntários em centenas de destinos em troca da estadia e das refeições? Essas são algumas das possibilidades de quem escolhe seu trabalho baseado nas viagens em que quer fazer.

Resumindo: ninguém precisa ser milionário pra conhecer os cinco continentes e ainda pode ser pago por isso. Descubra neste posts quais são os 10 melhores empregos pra quem ama viajar e quer fazer disso seu trabalho:

1 – AuPair

Uma das maneiras mais econômicas de morar fora. Você assina um contrato pra ser babá de uma família estrangeira por um determinado período com alimentação, moradia e um salário em moeda estrangeira. Curtir crianças e ter paciência pra se adaptar à dinâmica da família são obviamente pré-requisitos, e saber cozinhar é um diferencial. Agências ajudam na organização da viagem, comum na França, Estados Unidos e Austrália –a STB oferece programas de 6, 9 ou 12 meses nos EUA que pagam até US$ 195 por semana.

2 – Professor de línguas

Ensinar inglês ou português no exterior pra amigos, familiares e quem mais topar pode dar uma grana. Escolas de idiomas (principalmente grandes redes) normalmente exigem um certificado, mas vale entrar em contato pra tentar uma vaga (no Vietnã eles não costumam pedir e chegam a pagar US$ 25 a hora). O dinheiro pode não ser suficiente pra te sustentar no exterior, mas ajuda.

 3 – Comissário de bordo ou piloto

Tome café da manhã sobrevoando o oceano Pacífico e jante sobre a Austrália; um cenário recorrente pra quem trabalha voando. E o bacana (além do salário top se você trabalhar em uma Emirates da vida) é que você acaba passando um ou dois dias em vários destinos mundo afora com hospedagem na faixa. Em tempo: superar o jet lag pode ser uma barra.

4 – Voluntário em hostels em troca de acomodação

Você tem um canto pra dormir e as refeições básicas garantidas e em contrapartida ajuda no que o hostel estiver precisando. Dá pra se dar bem e cair na recepção, no bar, guiando tours, tirando fotos ou alimentando as redes sociais ou acabar limpando banheiro. Procure por hostels que sejam bem localizados e tenham bares agitados; toda noite rola conhecer um pessoal novo. O Worldpackers, o Workaway e o Helpx são especialistas em fazer essa ponte.

5 – Funcionário uma rede multinacional de hotéis

O plano aqui é o seguinte: forme-se em hotelaria, seja ativo em línguas e lute por uma vaga em alguma rede de hotel multinacional, de preferência com filiais em vários continentes (claro que talvez pra isso você precise começar em um hotel pequeno). Sempre acontece de surgir uma oferta de transferência pra rodar entre os países. Outras formações como marketing, administração e relações públicas também podem dar trabalhos em hotéis.

6 – Blogueiro/jornalista de viagem

Como a Anna e a Betina aqui no Carpe Mundi. Elas se formaram em jornalismo, trabalharam na “Viagem e Turismo” e, em outubro de 2015, lançaram o blog. Monetizar conteúdo on-line não é fácil, mas cada um vai encontrando seu caminho, e você é convidado pra viajar por países e hotéis mundo afora que têm interesse em atrair brasileiros. Ser ativo em redes sociais, estudar SEO, ter contatos com assessores de imprensa e secretárias de turismo e escrever conteúdo de qualidade que se diferencie do que já existe ajuda na empreitada. E, claro, ser viajado.

7 –  Voluntário em projetos sociais pelo mundo

Conhecer novas culturas e colaborar pra um mundo melhor podem andar de mãos dadas. Organizações como a Volunteer Latin America, a AIESEC e a Working Aborad propiciam essa experiência. Você pode pintar escolas no Peru, construir moradias no Panamá, colaborar na reciclagem de uma comunidade em Gana, ajudar na preservação de tubarões na África do Sul, pesquisar biologia na Amazônia, ajudar na conservação marinha na Espanha… Opções sem fim.

8 – Agente de viagem

Formar-se em turismo pode parecer o mais óbvio pra quem sonha em viajar o mundo, mas não é bem assim que acontece: você acaba mais cá do que lá montando roteiros, fechando pacotes e firmando acordos com empresas do exterior via internet (tempos de globalização). Mas sim, agentes de viagem também vão a campo acompanhar grupos e absorver novas informações. Rolam descontos em hotéis, museus e companhias aéreas.

9 – Diplomata

É um dos cargos de maior status que você pode ter pra ficar mudando pra lá e pra cá, e com o salário mais alto (a partir de R$ 13 mil por mês). A carreira de diplomata é bem hierárquica e levam-se anos pra conseguir representar o Brasil no exterior (e as vagas nos países mais subdesenvolvidos são as que vêm primeiro, claro). É preciso passar no disputadíssimo concurso do Instituto Rio Branco e ser fluente em pelo menos três línguas. Mas quem sabe você não consegue uma vaga?

10 – Trabalhar em navio

Navios de cruzeiro são minimundos. Neles, você pode virar chef, personal trainer, cantor, enfermeiro, recreador, salva-vidas, barman, dançarino… demanda é o que não falta! Assim como os comissários de bordo, você passa a maior parte do seu tempo navegando, mas tem chances de conhecer um monte de novos destinos sem pagar por cama, comida e roupa lavada –e ainda ganhando salário por isso. O trabalho é árduo, mas pode ser um bom jeito de ganhar dinheiro e viajar.

Pra você, qual dessas aí (ou outra) é a melhor opção? Se você ama viajar, fica a dica: se joga! Esse mundão só está esperando por você!

Fonte: Viagem Livre
Foto: Divulgação