Antigamente em Jaraguá do Sul: a praça Ângelo Piazera que deixou saudades

Localizada no coração de Jaraguá do Sul, a praça Ângelo Piazera é um ponto de encontro que conta parte da história do município. A prática de esportes, a realização de eventos, festividades, comemorações, shows, solenidades e manifestações culturais mostram a importância do espaço. A série “Antigamente em Jaraguá do Sul” foi atrás da história e de alguns fatos interessantes sobre a famosa praça. Como sempre, é preciso voltar no tempo para entender o contexto que envolve a criação do local.

A praça como conhecemos hoje. Imagem: Google

A praça como conhecemos hoje. Imagem: Google

A empresa Pecher & Cia adquiriu as terras da Colônia Jaraguá, concedidas a Emílio Carlos Jourdan em 1895. Os sócios Ângelo Piazera, César Pereira de Souza e Francisco Tavares da Cunha Mello Sobrinho compraram o grande lote em outubro de 1907. Com o fim da sociedade, em 1916, Ângelo ficou com todas as terras. Piazera morre em 22 de março de 1927 e com o advento foi realizado um desejo do empresário.

O "calçadão" da Marechal, em seus primeiros dias, entre os anos 1914 e 1919. Aonde vêem-se as casas estilo enxaimel hoje encontra-se o prédio que abriga o Sacramentum Pub. Foto: Elemer Kroeger, Antigamente em Jaraguá do Sul

O “calçadão” da Marechal, em seus primeiros dias, entre os anos 1914 e 1919. Aonde vêem-se as casas estilo enxaimel hoje encontra-se o prédio que abriga o Sacramentum Pub. A edificação da esquina ainda encontra-se no local, o prédio faz parte do patrimônio histórico da cidade. Foto: Elemer Kroeger, Antigamente em Jaraguá do Sul

Ainda em vida, Ângelo havia combinado com a mulher a doação de um terreno para a futura Jaraguá do Sul. No termo firmado no Registro de Imóveis 2ª circunscrição Bel. Hercílio da Conceição, Constância Piazera declarou que o imóvel era inalienável e não permutável. O lote que hoje ocupa a esquina da avenida Marechal Deodoro da Fonseca com a rua Expedicionário Antônio Carlos Ferreira, e que se estende até a rua Reinoldo Rau, foi doado para a construção de uma sede para o município em 29 de agosto de 1927. A criação de um dos espaços públicos mais antigos da cidade foi condição para que a doação fosse feita.

O terreno que compreende a área da praça Ângelo Piazera. Imagem: Google

O terreno que compreende a área da praça Ângelo Piazera. Imagem: Google

O registro número 369 dizia “que ali deveria ser feito um jardim público e edificado o prédio que servirá para a intendência com demais repartições; uma vez que este distrito de Jaraguá torna-se município, ficará o terreno ora doado bens do mesmo”.

Segundo a chefe do Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul, Silvia Kita, quando o município de Jaraguá do Sul foi emancipado, em 26 de março de 1934, a doação do terreno ficou registrada em nome do município de Joinville. Mesmo assim, o novo jardim foi inaugurado junto com o prédio da administração municipal em 4 de outubro de 1941. A inauguração contou com a presença de um grande número de munícipes.

Inauguração da Prefeitura e da praça Ângelo Piazera, em 4 de outubro de 1941 (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Divulgação)

Uma grande quantidade de munícipes acompanhou a inauguração do prédio e da praça (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Divulgação)

Em foto de 1957, é possível ver a Prefetura, a praça e um pátio nos fundos do prédio da administração municipal (Foto: Renaldo Kopp/‎Antigamente em Jaraguá do Sul/Divulgação)

Em foto de 1957, é possível ver a Prefeitura, a praça e um pátio nos fundos do prédio da administração municipal (Foto: Renaldo Kopp/‎Antigamente em Jaraguá do Sul/Divulgação)

Detalhe da área da praça na foto acima

Detalhe da área da praça na foto acima

O espaço cultural e de lazer

Até o início da década de 1990, Jaraguá do Sul não tinha um grande espaço público aberto de lazer e promoção cultural. O terreno localizado nos fundos da antiga Prefeitura, hoje o Museu Histórico Emílio da Silva, era ocupado pela garagem de caminhões, máquinas e veículos do município. De acordo com informação levantada pela historiadora Silvia Kita, a Secretaria de Obras e a garagem de veículos foram transferidos para a Barra do Rio Cerro em 1988.

Setor de Obras e garagem da Prefeitura de Jaraguá do Sul (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

A praça como você nunca viu: setor de Obras e garagem da Prefeitura de Jaraguá do Sul (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

Mesmo com o terreno vago, a segunda parte da praça Ângelo Piazera só saiu do papel seis anos depois. Em 1994, durante a segunda administração de Durval Vasel (1992 – 1995), a expansão do espaço foi feita.

Construção da praça Ângelo Piazera em 1994 (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

Construção da praça Ângelo Piazera em 1994 (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

Foram construídos o espaço cultural, com um belo chafariz e um lago com carpas, o palco e o parque infantil.

A praça na sua primeira configuração,em 1994  (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

A praça na sua primeira configuração,em 1994 (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

Após a construção, a praça Ângelo Piazera passou por duas reformulações. A primeira aconteceu em 1996 com a construção do calçadão da avenida Marechal Deodoro da Fonseca.

Praça em foto de 2004, ainda com as árvores e a lagoa  (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

Praça em foto de 2004, ainda com as árvores e a lagoa (Foto: Acervo Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul/Fundo Prefeitura Municipal)

Em 2004, na administração de Irineu Pasold, houve a reurbanização do calçadão e aí o espaço ganhou novos contornos, piso e novo visual. O lago foi retirado e deu lugar a uma área onde é possível jogar xadrez. O palco também sofreu modificações, e além da ampliação, ganhou o mosaico que enquadra até hoje.

Carlos Fernando Piske posta foto da retirada das árvores da praça. Segundo ele, elas foram replantadas nas margens do rio Jaraguá (Foto: Carlos Fernando Piske/‎Antigamente em Jaraguá do Sul/Divulgação)

Carlos Fernando Piske posta foto da retirada das árvores da praça. Segundo ele, elas foram replantadas nas margens do rio Jaraguá (Foto: Carlos Fernando Piske/‎Antigamente em Jaraguá do Sul/Divulgação)

Estado de conservação do palco em 2011, na administração de Cecília Konell

Estado de conservação do palco em 2011

Em 2015, houve o anúncio do projeto para uma nova revitalização do espaço, mas ainda não saiu do papel.

Aqueles que estão na casa dos trinta vão lembrar muito bem de como era movimentada a praça. Shows de artistas como Jair Rodrigues, Família Lima, John Bala Jones e Dazaranha ficaram marcados na memória de muitos jaraguaenses. Projetos como o da música eletrônica aos domingos (autoria do Por Acaso, inclusive) também traziam vida para o local. Tudo isso sem contar o Motogiro, um dos mais importantes encontros de motociclismo do Brasil, que também teve início na praça Ângelo Piazera.

Hoje, a praça Ângelo Piazera é palco de diversos eventos culturais, que infelizmente não reúnem um público tão grande como anteriormente. Mas a menor presença de pessoas não diminui a importância da praça. Lá, há o espaço reservado para que os jaraguaenses possam se expressar através do teatro, do esporte, da dança ou da música, como ocorre mais rotineiramente. É preciso perceber que a praça Ângelo Piazera é um patrimônio de todos os munícipes e, desse modo, precisa ser prestigiada por todos.

Mais fotos

Participação dos leitores

Você tem alguma foto ou lembrança de um momento na antiga praça? Compartilhe com a gente! Nos mande em inbox ou por e-mail ([email protected]), e faça parte da construção desse artigo. :)

Curiosidades:

– Ângelo Piazera era natural de Vigilo Vattaro, na Itália, nasceu no dia 30 de agosto de 1867;

– Ele chegou no Brasil com nove anos, morou em Rio dos Cedros e se estabeleceu em Jaraguá do Sul em 1891, na Barra do Rio Cerro, e teve uma fábrica de gaitas e brinquedos;

– Em 2013, após o envio de um projeto para o Ministério da Cultura, descobriu-se que o terreno da antiga Prefeitura e da praça pertencia a Joinville;

– Após um longo trâmite, que passou pela Câmara de Vereadores da cidade vizinha, a Prefeitura de Joinville fez a doação do terreno para Jaraguá do Sul;

– A praça Ângelo Piazera abriga um monumento que marca o ponto zero do município. É o ponto de referência de centro do município, que determina sua localização: a latitude, a longitude e a altitude. Ele está localizado nas coordenadas 26° 29′ 9″ S, 49° 4′ 1″ W.

marco–  Além do Marco Zero, a praça possui outros elementos históricos como a Herma do Coronel Emílio Carlos Jourdan erguida em 1941, a Efígie de Ângelo Piazera esculpida num bloco de mármore e instalada em 2004 e o Totem, um antigo cilindro sem eixo que exercia sua função na secagem de grãos de arroz, que é o marco simbólico do Museu.

Sobre o autor

Cláudio Costa

Jornalista, pessimista, engajado e imediatista. Curte um bom rock e sempre busca observar tudo sob uma perspectiva realista.

Deixe seu comentário